EXCLUSIVO – Andy Jenkins

Andy Jenkins é diretor de criação independente, consultor, curador, designer, ilustrador, escritor…

E um dos nossos grandes ídolos. Entre outras por ser fundador do The Art Dump, que tanto nos influencia, por exemplo. Mas hoje apresentamos esse papo exclusivo com o artista que foi o responsável pelo primeiro zine colaborativo da Vans, o “Off The Wall – Issue 1”. Aqui ele fala sobre o seu sentimento com a cultura DIY, fala de referências e, claro, te convida para participar do próximo zine da Vans.

 

 

PARTICIPE CLICANDO AQUI  >>  OFF THE WALL Zine #2

 

Você se lembra do primeiro zine que produziu?

Andy: Meu primeiro zine foi em 1985, chamava “RIP zine – Radically Increasing Perception”. Olhando para trás, era um nome bastante pretensioso para um zine. Era sobre skate, punk e música industrial.

 

Era um sentimento diferente dessa participação que rolou com a Vans?

Andy: Sim, muito. São quase 35 anos desde esse primeiro zine, haha. Eu era um garoto e muito excitado. Eu estava trabalhando numa revista de verdade, BMX Action, mas produzia os zines, pintava e tocava numa banda também. O conteúdo é diferente, assim como design, o formato e até a forma de fazer. Tudo evoluiu nesses 35 anos. Trabalhar nesse projeto com a Vans foi incrível, porque eu pude compartilhar um pouco da minha experiência com o pessoal mais jovem que está só começando. E é uma boa vitrine para jovens criativos e que estão procurando evoluir.

 

Quão importante é falar sobre a cultura DIY atualmente?

Andy: Para mim, é muito importante. Eu sempre vivi pela ética do DIY. Punk Rock foi minha educação… Me ensinou a não confiar em mais ninguém. Se você quer realmente seguir suas paixões, faça você mesmo. Ninguém vai vir e te entregar nada. E você tem o controle sobre o que faz. É empoderador e, assim creio, ajuda a aumentar a confiança em todas as partes da sua vida.

 

 

Para você o zine é uma forma de protesto?

Andy: Ele pode ser, é claro. Produzir zines é uma forma de se auto-publicar, mas isso era visto com uma conotação pejorativa, especialmente para escritores. Hoje não. Um zine pode ser a ferramenta para ajudar a unir pessoas por todos os tipos de motivos.

 

Agora recomende os seus editores de zine preferidos para gente conhecer.

Andy: Wow. Tem tantos. Zine mudou minha vida quando eu era jovem. Eu conheci tantas pessoas que pensavam como eu e que ainda são grandes amigos. E há todos os níveis de zine, desde primitivos e crus até muito refinados e definidos. Eu odeio nomear alguém em particular, pois há tantos bons. Rich Jacobs, Serge Vutuc, Tobin Yellend, Travis Millard, Garry Davis, Nathaniel Russell, Dave The Chimp … Eu poderia continuar e continuar.

 

Deixe uma mensagem para encorajar a galera a participar mandando trabalhos para o próximo zine da Vans.

Andy: Esta é uma ótima oportunidade para começar a fazer seu zine. Apenas faça coisas. Não se preocupe se é bom o suficiente ou não. Eu nunca julgo zines, porque acredito que a parte mais importante é fazer. O esforço. Basta dar o primeiro passo – faça o que você está apaixonado. Você nunca sabe ao que isso pode levar. Mais importante, isso pode te levar a amizades. Se zines não são seu meio, faça do jeito que sirva para você. Viva a ética DIY. Divirta-se e trabalhe duro.