DORA VARELLA & YNDIARA ASP

UM ENSAIO POR CARINE WALLAUER

 

No velódromo da USP, inaugurado na década de 70 em São Paulo, Dora Varella e Yndiara Asp deslizaram em dupla. Expoentes da nova geração brasileira de skatistas, passaram pelas lentes da fotógrafa e videomaker Carine Wallauer. O ensaio abaixo integra um trabalho coletivo que reuniu mulheres e suas diferentes linguagens artísticas para uma exposição a convite da Vans Brasil. Os detalhes dessa ação coletiva, mostraremos em seguida. Por enquanto, apresentamos o resultado fotográfico de um dia regado a diversão, skate nos pés e sonhos voltados para Tóquio 2020 – além do papo que elas tiveram com Raquel Chamis, que assina os textos:

 

DORA VARELLA & YNDIARA ASP

DORA VARELLA | A paulistana de 16 anos venceu há poucos dias, pela terceira vez, o Vans Girls Combi Pool Classic – uma das principais competições de skate feminino do mundo. Essa conquista fala muito sobre a velocidade com que ela vem se tornando um nome fortíssimo das três modalidades que pratica: bowl, park e vertical. Levada a uma pista pela primeira vez pelo pai, aos 10 anos, traz na movimentação sobre rodas os aprendizados dos esportes que praticou: “Sempre gostei e fiz muitos diferentes, e cada um influenciou a seu modo. A ginástica olímpica me ajudou com força e alongamento, também nos giros – mas queria impor meu estilo ao que fazia, o que só o skate permitiu”. Parte de uma geração de mulheres que ocupa de fato a pista, Dora diz nunca ter sofrido preconceitos. Algumas amigas, por outro lado, sim. “Quando estou na pista não tem diferença. São todos skatistas procurando evoluir e se divertir. Não importa idade, altura, peso, gênero”, conclui. Sabe que a competição é um lugar de segurança – a adrenalina faz muito bem para suas manobras.  

YNDIARA ASP | Primeira skatista profissional da Vans Brasil, a catarinense de 21 anos foi campeã do Oi Park Jam 2018 – para citar apenas uma de suas conquistas mais recentes (e que, inclusive, abriu espaço para uma ampla discussão sobre a desigualdade nas premiações entre homens e mulheres). Apaixonada por bowl, que começou a praticar no mítico bairro de Rio Tavares, em Floripa, Yndi associa skate, acima de tudo, a liberdade. Quando as circunstâncias ou os campeonatos impõem cobranças, lembra que skateboarding também é diversão. “Fico muito feliz com tudo que está acontecendo: o skate está com bastante visibilidade; o empoderamento feminino mais forte do que nunca. Essa junção cria espaço e oportunidades”. As inúmeras viagens em busca de campeonatos a fez realizar o sonho de conhecer a Califórnia – e fazer isso na companhia das melhores amigas: “Quando vemos uma menina andando de skate, nos conectamos instantaneamente. Já temos algo em comum! A competição existe, mas é só saber lidar com ela”.