Jameson ARTMIX

Despretensioso, autêntico, expressivo, urbano, alternativo.

Sentimentos e ideais com os quais artistas costumam ilustrar as paredes de grandes cidades, como São Paulo. Essa ligação foi o ponto de partida para o Jameson Artmix com os artistas Dédo, Mari Mats, Depor e Onio.

Apresentado por Jameson Irish Whikey, a série de mini documentários tem como fachada a casa da Vista e passa por diferentes técnicas de arte urbana, revelando as inspirações e influências que formaram o estilo de cada convidado.

_Dédo (@dedonesthnl)

“Engraçado, que a maioria dos artistas é meio morcego, viram madrugadas, eu sou um cara bem diurno, acordo cedo já inspirado” nos conta esse paulistano que tem entre suas técnicas preferidas o graffiti e o HQ. E é a partir dessas habilidades que conta suas histórias despretensiosas pelos muros da cidade.

_Mari Mats (@mari_mats)

“Tudo que eu aprendi até hoje foi sozinha, na rua, com meus amigos” e foi dessa forma que Mats foi criando a identidade do seu trabalho. tem representado muito bem a classe feminina no meio artístico/cultural. Apaixonada por arte em todas as suas formas e expressões é, também, uma solicitada DJ. E seja na parede ou nos toca-discos, o importante para ela é estar livre para criar.

_Gustavo Depor (@gustavodeportado)

Seu início na arte tem a ver com a sua observação das pixações no ambiente urbano caótico de São Paulo. Sua pesquisa sobre o universo infantil, ou “desenho mais ingênuo” como o artista pontua, acaba trazendo uma leveza ao seu traço, contrastando com o ambiente pesado das ruas da capital. “Teno buscar uma originalidade, não me prender a uma técnica específica”, complementa.

_Onio (@onio1980)

Com sua fluidez intuitiva, Onio trabalha com artes visuais, ilustração e faz graffiti. Natural de Brasília, mas morando em São Paulo há 8 anos, ele pinta nas ruas desde 1998, quando conheceu o graffiti através de revistas de skate. “Graffiti não vai deixar você rico, é uma forma de se expressar” é uma das frases do seu depoimento para o Jameson Artmix.