Redução

Daniel Marques apresenta o vídeo recheado de sentimentos sobre sua viagem ao Japão

 

 

O que você estava fazendo 1 ano atrás? Vivendo uma “vida normal”, imagino. Doido pensar que a nossa vida, que sempre é uma loucura, era normal 1 ano atrás, unzinho só. Mas, seguindo, estamos aqui para falar da aventura do Dani Marques. Uma viagem que, imagino, muitos de vocês gostariam de fazer. Eu ainda vou para o Japão. Agora, mais precisamente, neste vídeo para a cidade de Osaka.

 

 

Uma coisa que aprendi estudando sobre o skate em terras nipônicas é que, por lá, o costume de fazer as sessões à noite não é por estilo, mas por respeito. Mesmo que não seja proibida a prática, é bastante incomum que os skatistas se joguem pela cidade em horários comerciais, com muita gente gente pelas ruas. Coisa de educação, que aparentemente é bem diferente da nossa…

 

 

Quem acompanha os maninhos do outro lado do mundo sabe bem da importância dos Osaka Daggers. É uma sensação boa pensar que mandamos um representante como o Dani para dar um rolê por lá com eles. Outro ponto que chama a atenção é a inclusão de trilhas sonoras tocadas ao vivo pelas ruas, de bandas pop ao cancioneiro oriental tocado na flauta – ou à capela pelos tiozinhos do parque. Percepções bem mixadas ao longo da caminhada pela cidade, com a qualidade de câmera possível ou interessante para traduzir os sentimos de cada sessão.

 

 

Na “segunda parte”, logo depois da metade do vídeo, o Dani recebe uma ajuda luxuosa: a parceria com o videomaker Marco Savino para seguir viagem. As legendas vão guiando, mas não saía da minha cabeça que “o sonho também pode virar pesadelo”. Por quê? E sim, isso com certeza. Mas por quê? Um momento só e tudo muda, como dissemos no início. Dor, medo, angústia, nem só de alegrias vive o skatista.

 

 

“As vezes, ser menos é ir além”. E esta é a vida real, meu chapa. Nem sempre o que acontece é o que planejamos, mas nunca deixa de ser um felizes para sempre. Precisamos é compreender que “reduzir é ir além”.