Registrando Ruas – Ale Urch

Ale Urch é um dos nossos maiores parceiros e também um dos grandes fotógrafos de rua do Brasil. Por isso lançamos o desafio dele tentar traduzir em palavras, e óbvio, em imagens, como está sendo viver pelas ruas, esquinas e grandes avenidas da cidade neste tão assustador “novo normal”.

“Para um fotógrafo como eu, que utiliza o caos das ruas como parte do seu processo criativo, a pandemia da COVID 19, que teve inicio oficialmente em Março de 2020 aqui no Brasil. Caminhar sozinho por ruas vazias me fez compreender um pouco mais o mundo que habitamos hoje.

O barulho do silêncio abafava o caótico barulho das ruas que eu tanto estava acostumado no meu flanar diário. Muitas vezes o único sinal de que eu não estava sozinho eram máscaras abandonadas nas calçadas, lixeiras, os entregadores de comida que passavam rapidamente por mim em suas motos e bicicletas atrás do sustento diário.
 Era possível ver o medo no olhar das poucas pessoas que precisavam sair de casa para sobreviver e que cruzavam o meu caminho.
 Parques, ruas, comércio, tudo colocado no mudo pelo controle remoto da vida.

 

A minha procura por cenas do cotidiano era enorme. Afinal, como fotografar o cotidiano de uma cidade que foi proibida de ter um cotidiano?
 Fui condicionando meu olhar a esse “novo normal” e começar a encontrar no vazio novos sentidos para uma metrópole inquieta como São Paulo.
 Com o passar dos dias da quarentena o cinza foi dando espaço as cores e, de uma forma quase que suicida, a vida foi voltando ao normal após 8 meses de ruas vazias.
 O relógio da vida parece ter voltado a funcionar, mesmo não sendo a hora certa para isso.

Na minha cabeça, além da máscara, continuo com mais perguntas do que respostas, por isso sigo registrando a cidade inquieta, que se recusa a dormir, e segue sobrevivendo, cambaleante e com uma ressaca de álcool em gel difícil de passar”.

//

fotos e depoimento. Ale Urch