Verbetes Femininos

Mulher
sf mu·lher

1 Ser humano do sexo feminino: “É mulher”, gritou o pai, emocionado.
2 Pessoa adulta do sexo feminino; rabo de saia, racha, rachada.
3 O ser humano feminino, visto como um todo: A mulher moderna é resoluta e independente.
4 Adolescente do sexo feminino após sua primeira menstruação, quando passa a ser capaz de conceber, distinguindo-se, assim, da menina.
5 Pessoa do sexo feminino, de classe social menos favorecida, em oposição a senhora.
6 Pessoa do sexo feminino, após sua primeira relação sexual: Tornou-se mulher ainda na adolescência.
7 Num casal, aquela com quem o homem tem relação formalizada pelo casamento; esposa.
8 Aquela com quem o homem tem relação estável, mas sem vínculo legal; amante, concubina.
9 Forma de tratamento que denota intimidade e, às vezes, desrespeito: Mulher, vê se me esquece.
10 Aquela com quem se tem uma relação romântica ou de caráter meramente sexual; namorada: Está sempre trocando de mulher.
11 O ser humano do sexo feminino que apresenta características consideradas próprias do seu sexo, como delicadeza, carinho, sensibilidade etc.: Como qualquer mulher, arrasava-se com as grosserias do companheiro.
12 Homem efeminado que tem modos, gostos e atitudes considerados femininos.
13 Indivíduo homossexual que em uma relação sexual tem atuação passiva.
Garota
sf ga·ro·ta
1 COLOQ Criança ou adolescente do sexo feminino: “A garota, inesperadamente, se jogou em minha direção. Senti toda sua fragilidade quando me abraçou” (CA).
2 Moça que é a namorada: Não posso sair com vocês, pois vou ver minha garota.
EXPRESSÕES: Garota de programa: mulher jovem que se prostitui.
ETIMOLOGIA: fem de garoto.
A definição dos termos acima foi retirada do dicionário online Michaelis, um dos dicionários mais utilizados no Brasil. É irônico dizer que o país luta por igualdade de condição de vida entre os gêneros, ou mesmo que o machismo não existe, enquanto até em definições que deveriam traçar um referencial, encontramos termos e frases sexistas. O mais alarmante, é quando se entende que uma transformação no comportamento machista que observamos no Brasil é urgente, já que o desequilíbrio em relação a valorização da vida da mulher é tão claro, mas que no próprio dicionário, essa mudança ainda não aconteceu.
Segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 503 mulheres foram vítimas de agressão física a cada hora em 2016, 3,9 milhões das mulheres brasileiras sofreram violência sexual e 1,4 milhões sofreram espancamento ou tentativa de estrangulamento. Ser mulher é pertencer a qualquer um, que não você. Não temos diante de nós um detalhe ou capricho, as mulheres morrem por não pertencerem a si mesmas.
O movimento #RedefinaGarota #RedefinaMulher, iniciado pela Converse, tem como objetivo atingir lexicógrafos do mundo inteiro, que são especialistas que escrevem as definições e os componentes do nosso vocabulário. Eles determinam o que é escrito nos dicionários baseado no que dizemos. E por fim, através de uma petição online provocar essa mudança. Para esta ação, a marca se conectou com mais de 100 mulheres, de diversas áreas e regiões do Brasil, para que façam parte desse movimento.

Inspirando-se no poder do amor, união e voz das mulheres do mundo inteiro, garotas influentes como Liniker, mulher trans e negra, MC Soffia, que tão jovem já se questiona sobre as questões raciais e já se vê encarando e enfrentando o machismo, Alexandra Gurgel, que após anos com problemas em relação ao seu próprio corpo, trabalha pela auto aceitação, afeto e autocuidado de meninas através de seu canal no Youtube, a mãe e cantora Mariana Aydar e a grafiteira, tatuadora e ilustradora Luna Bastos que tem como mantra usar a arte como forma de expressão, luta e resistência, fizeram parte da segunda edição da zine Sola, lançada pela Converse, feita apenas por mulheres que com depoimentos de machismos vivenciados e presenciados busca apoiar a luta para ressignificar a definição  dos termos femininos. O projeto conta também com textos da jornalista Juliana Alves e da zineira Bianca Muto.

A zine, lançada no dia 19 de março, na Void do Largo da Batata, traz um espaço destacável para que todas as pessoas possam incluir suas próprias definições relacionadas aos termos femininos, e que poderão ser depositadas em urnas localizadas nas lojas Void de São Paulo e do Rio. Todo o material coletado será utilizado em uma vivência que contará com Cris Lisboa como moderadora, e que de forma colaborativa dará origem a novos significados para estes termos.

Para saber mais visite @verbetesfemininos

Por Luísa Mattos.