Amor, Verdade e Virtude – biografia de Dj A.S.M.A. em forma de vídeo

Amor, Verdade e Virtude é o nome do novo projeto do Dj A.S.M.A a.k.a. Mista Luba. O vídeo biográfico, dirigido por Vinicius Cole é um retrato da mente criativa do A.S.M.A. e dos processos que viraram rotina na pandemia do Covid-19.

Publicado em 11/08/2021

O A.S.M.A é velho conhecido daqui da VISTA. Além de já ter participado de várias coisas com a gente, no ano passado rolou até um podcast com ele, o Base Sonora, apresentado pelo Flávio Samelo. 

Mas falando do Amor, Verdade e Virtude, a gente assistiu, achou bem louco o vídeo e aí fomos atrás do Luba pra falar mais sobre a concepção da obra! Então se liga no papo que tivemos com ele falando sobre seu mais recente projeto: 

VISTA: Faz um ano mais ou menos do nosso último papo, que foi no podcast da VISTA, o Samelo colou na sua casa e agora a gente tá fazendo tudo online. Muita coisa mudou, né? O que mais mudou pra você com a pandemia do COVID-19?

Mista Luba: saudações todes. Seguimos nessa fase de transição, intensa e poderosa. Eu encontrei o estado meditativo e usei o tempo para produzir forte e estudar. Produzi música autoral e lancei. Aprendi a transmitir vivenciando lives, lancei diversas mixtracks viajando em diversas sonoridades do mundo com discos adquiridos nas viagens que fiz anteriormente.

Como é ser DJ em tempos de distanciamento social? Como foi essa transição de fazer apresentações presenciais pra trampar com a internet? 

Exige muita disciplina, é um momento onde realmente você pode perceber o propósito do seu trabalho. O tempo longe da noite, shows, clubes, fez com que eu tivesse tempo para produzir música e materializar a obra audiovisual. Rotina produzindo músicas e batidas, scratchs, mixtracks /mixtapes, escrevendo roteiro e filmando. Aprendi a transmitir e participo de diversas festas online mixando de casa. Fiz vários sets com serato video. Usei o tempo.

Recentemente acabou de sair o Amor, Verdade e Virtude. Fala pra gente sobre esse projeto com o Vinicius Cole.

Vinicius é um grande irmão e teve ideia de fazer minha biografia com colagens de discos e, para isso, iniciei uma pesquisa nos LPs até construir a narrativa. Foi um grande desafio eu construir, a partir da trilha Colé traduziu minha melhor interpretação em imagens e texturas.

Que recortes de áudio você procurou usar para compor a trilha desse projeto? O que essas mensagens traziam?

São diversos recortes de discos de vinil dos garimpos. A proposta do projeto foi minha biografia, então procurei frases e colagens que contassem sobre mim e como vejo essa transição que vivemos. Vivendo no presente em estado meditativo.

Como a pandemia e estar socialmente distante influenciou na concepção e nas ideias do Amor, Verdade e Virtude?

Nesse momento de  pandemia e “era da verdade”, apareceu tempo para produzir projetos autorais, isso ajudou ao filme ser realizado.
A pandemia e situação que vivemos já era prevista, então a visão do sistema é a mesma. Nesse período tive tempo pra fazer  o que eu amo no meu trabalho autoral junto com artistas que eu admiro.

E o que você tem ouvido de música?

Estou pesquisando os discos Indianos que garimpei na India em 2016. Escuto a turntablism music em meus discos.
Também muita coisa atual trap, afrotrap, afrobeat, dancehall, afrohouse, house. Sempre fiz pesquisa obscura ativa pesquisando música do mundo de todas as épocas.

Agora a gente tá começando a vislumbrar um respiro e começando a pensar a fazer as coisas presenciais depois de todo mundo vacinado. Como tá isso pra você? O que vem por aí no futuro?

Estou com algumas viagens armadas Florianópolis, Portugal, Ribeirão Preto, entre outros, mas não crio expectativa, quero muito viajar, mas quero mais que o povo tome consciência e pense no próximo. Quero mais amor.

Infos gerais do projeto:
Direção: @vinicius_cole e @mistaluba
Scratches, Samplers e Sound Design: DJ A.S.M.A. @mistaluba
Fotografia: @vinicius_cole
Roteiro e Montagem: @mistaluba e @vinicius_cole
Color Grading: Bruno Godi (ICG) @bgodi
Masterização: @renatovenom
Assistente de câmera: @mitsuohara