CONVERSAS CRETINAS – EP. 04

Publicado em 27/09/2021

O Conversas Cretinas com o Kamau e com o Arthur Dantas tem como assunto central o livro que o Arthur lançou, o “Racionais MCs: Sobrevivendo no Inferno”, que analisa a forma e o conteúdo de um dos álbuns mais fundamentais da música brasileira. Ou seja, o papo tá muito dahora só por essa premissa! 

Então, antes de você conhecer as referências, ouça e/ou assista aqui:

Beleza, agora vai pegando conforme os caras vão trocando ideia! 

A relação dos três não começou no podcast, não. O Kamau, Marcus Vinicius pros mais chegados, é realmente bem próximo do Samelo, já que estudaram juntos na escola. O Arthur chegou mais tarde, nos trampos de jornalismo da vida adulta na época da +Soma e da VISTA impressa.

O livro do Arthur, lançado pela editora Cobogó, saiu no começo de 2021 e pode ser encontrado na internet pra comprar em alguns lugares. É uma coleção chamada “O Livro do Disco” e, bom, trata exatamente do que se propõe. O do Arthur é do Racionais e vale muito a pena. 

Ah, e Cocão é o Edi Rock, beleza? O Samelo não sabia, mas agora a gente sabe!

O Kamau é um terço de Los Três Amigos, e o Samelo falou que era piada interna. Mas aqui a próprio Samelo explica:

“Eu, o Kamau e o Anderson, nosso amigo ultra nerd e completamente maluco, éramos como três irmãos, tipo inseparáveis. Teve uma vez que eu me quebrei inteiro, estava no hospital e o Anderson, que desenhava muito, fez uma história em quadrinhos do meu acidente e foi junto do Marcus me levar. Era muito da hora. A gente se fala até hoje!”

A conversa foi bastante na onda do livro, falando muito de Racionais MCs e da importância do grupo, não só na música, como também na vida dos três que participaram do programa. O Kamau diz que se não fosse os caras, não estaria no rap hoje! 
Arthur fala uma parada doida, uma citação do DJ Pampa, em uma entrevista que ele fez com o KL Jay e que diz “Se o rap fosse um partido, KL Jay seria o presidente”. Mas o Kamau já falou que se rolasse isso mesmo, o Kleber não ia querer ser o presidente.

A primeira coisa curiosa que o Samelo fala sobre Arthur Dantas é que ele é amigo da Fafá de Belém e, mais tarde na conversa, ele conta a história em que ela brincou com eles perguntando se eles eram do Los Hermanos. No livro, o Arthur fala sobre a influência do Public Enemy no Fugazi e no Racionais MCs e também sobre a comparação que ele fez das duas bandas influenciadas. Tem bastante coisa que parece mesmo! 

Muito disso vai diante da fala do Kamau sobre as interpretações que as pessoas tem em cima de cada trampo musical de cada artista. Tipo do álbum do Kendrick Lamar e da música “Vida”, do disco Non Dvcor Dvco. Tem o que é a história real e tem o que é teoria, assim como tudo na vida.

O Samelo também lembrou da história do começo da carreira do Marcelo D2, quando eles quebraram as paredes da casa do Marcelo pra passar uns cabos do estúdio. Isso foi falado também no podcast Base Sonora aqui da VISTA que o Samelo trocou ideia com ele

Claro que o papo também passou por skate, fotografia, ídolos-amigos, sobre o fanzine do Arhur, o Velotrol, o álbum do Kamau e do Slim que saiu recentemente e muito mais. Ah, você sabia que o Kamau está no encarte do Sobrevivendo no Inferno? Se liga no mano com a camiseta da Cemporcento SKATE.

(Viu? A gente não dá ponto sem nó!)